domingo, 17 de abril de 2016

DIA DO LIVRO INFANTIL



Amanhã, dia 18 de abril, vamos comemorar o DIA NACIONAL DO LIVRO INFANTIL, data criada em homenagem a Monteiro Lobato (1882 - 1948). Em 2007, a pedido da Editora IMEPH, criei um texto em cordel para comemorar essa data. Reproduziremos trechos do mesmo no final dessa postagem. 

Sobre o grande Monteiro Lobato, vejamos o que diz a escritora Fanny Abramovich:

"O maior escritor infantil brasileiro de todos os tempos, José Bento Monteiro Lobato, nasceu em 18 de abril de 1882, em Taubaté (SP). Cresceu numa fazenda, se formou em direito sem nenhum entusiasmo, já que sempre quis ser pintor! Desenhava bem! Quando estudante, participou do grupo "O Cenáculo" e entre risadas e leituras insaciáveis, escreveu crônicas e artigos irreverentes. - Em 1907 foi para Areias como promotor público, casou com Maria Pureza com quem teve três filhos. Entediado com a vida numa cidade pequena, escreveu prefácios, fez traduções, mudou para a fazenda Buquira, tentou modernizar a lavoura arcaica, criou o polêmico "Jeca Tatu", fez uma imensa e acalentada pesquisa sobre o SACI publicada no Jornal O Estado de São Paulo. - Em 1918 lançou, com sucesso, seu primeiro livro de contos URUPÊS. Fundou a Editora Monteiro Lobato & Cia, melhorando a qualidade gráfica vigente, lançando autores inéditos e chegando à falência. - Em 1920 lançou A MENINA DO NARIZ ARREBITADO, com desenhos e capa de Voltolino, conseguindo sua adoção em escolas e uma edição recorde de 50.000 exemplares. - Fundou a Cia Editora Nacional no Rio de Janeiro. Convidado pra ser adido comercial em New York ficou lá por 4 anos (de 1927 a 1931) fascinado por Henry Ford, pela metalurgia e petróleo. Perdeu todo seu dinheiro no crash da bolsa. - Voltou para o Brasil, se jogou na Campanha do Petróleo, fazendo conferências, enviando cartas, conscientizando o país inteiro da importância do óleo. Percebeu, então, o quanto era conhecido e popular. Foi preso! Alternou entusiasmo e depressão com o Brasil. - Participou da Editora Brasiliense, morou em Buenos Aires, foi simpatizante comunista, escreveu para crianças ininterruptamente e com sucesso estrondoso, traduziu muito e teve suas obras traduzidas. - Morreu em 4 de julho de 1948 dum acidente vascular. - Suas obras completas são constituídas por 17 volumes dirigidos às crianças e 17 para adultos englobando contos, ensaios, artigos e correspondência."



O DIA DO LIVRO INFANTIL EM CORDEL
Autor: Arievaldo Vianna

Nessa data tão marcante
Dia 18 de abril
Nosso país comemora
Dia do Livro Infantil
Pois nesse dia tão grato
Nasceu Monteiro Lobato
Grande escritor do Brasil.

José Monteiro Lobato
Nasceu lá em Taubaté
No Vale do Paraíba
Onde viceja o café
Foi um garoto eloqüente
Travesso e inteligente,
Tornou-se um homem de fé.

Fé na cultura e na força
Dessa pátria brasileira,
E fez da Literatura
Sua paixão verdadeira
Para a criança escreveu
E o Brasil conheceu
Uma obra de primeira.

Tia Anastácia, Visconde,
Dona Benta e Narizinho
Emília, Tio Barnabé,
Cuca, Saci e Pedrinho
São personagens amados
Que sempre serão lembrados
Com gratidão e carinho.

Os seus livros infantis
Têm mais graça e poesia
Falam de história, gramática,
Ciência e astronomia
No meio das brincadeiras
Há lições bem verdadeiras
De pura filosofia.

Dizia que um país
Para ser grande nação
Se faz com homens e livros
Eis uma sábia lição
E que a nossa criança
Para ter mais esperança
Precisa de EDUCAÇÃO.

Fez “O Poço do Visconde”
Reinações de Narizinho”
As Memórias da Emília”
As caçadas de Pedrinho...”
Em campanhas resolutas
Abraçou algumas lutas
Ao longo de seu caminho.

A exploração do petróleo
Foi sua grande bandeira
E às vezes atrapalhava
Sua brilhante carreira
De escritor consagrado,
Mas deixou grande legado
Para a pátria brasileira.

Numa lúcida entrevista
Mestre ZIRALDO nos diz
A criança do presente
Precisa ser mais feliz!”
Pois se não houver PRESENTE
Não pode ser reluzente
O FUTURO do país.

Quem tem os pés no presente
O futuro sempre alcança
Lendo a frase do ZIRALDO
Renovei minha esperança
E fiz esse manifesto:

UM PEQUENINO PROTESTO

EM DEFESA DA CRIANÇA

"A criança é a presença
Da Divinidade entre nós
Mas se vive abandonada
Tendo a fome por algoz
Num submundo esquecido
Vira um anjo decaído
Seu sofrimento é atroz.

Eu levanto a minha voz
Nesse alerta consciente:
Educar para o futuro
Diz o sistema excludente
Resultados não alcança...
Tem que educar a criança
Pra ser feliz no presente.

De um sorriso inocente
Toda criança é dotada
Porém se for excluída,
Na sarjeta abandonada,
Perde a graça e o sorriso
Seu futuro é impreciso
Dele não se espera nada.

Portanto, a hora é chegada
Basta de embromação,
De brinquedos que às vezes
Chegam de segunda mão
Pro seu direito valer
A criança quer lazer
Saúde e educação.”

FIM