terça-feira, 17 de janeiro de 2017

PERFIS SERTANEJOS


ESCRITOR BRUNO PAULINO LANÇA "SERTÃO: POETAS E PROSADORES"

Traçar perfis jornalísticos com sabor literário foi uma das atividades prediletas do escritor maranhense Humberto de Campos em seus 20 anos de profícua atividade literária. O filho ilustre de Miritiba-MA chegou a reunir boa parte de sua produção jornalística, espalhada em diversos periódicos (jornais e revistas), em livros que obtiveram enorme sucesso à época de seu lançamento. Existe mesmo uma série com esse título singelo “Perfis – por Humberto de Campos”.  Esses perfis jornalísticos, tão em voga desde o Século XIX, visam registrar o cotidiano, o ambiente, a história de vida de pessoas famosas ou anônimas, buscando revelar ao público fatos inéditos ou pitorescos da vida da personalidade retratada. Conclui-se, portanto, que esse estilo de reportagem, que apresenta em sua linguagem traços da literatura, caracteriza o chamado jornalismo literário.
O título deste prefácio – “Perfis Sertanejos” -, remete a um livro raro do folclorista José Carvalho de Brito, cearense do Crato, membro da Padaria Espiritual e primeiro autor a ocupar-se da pessoa e da obra do célebre Patativa do Assaré em livro publicado no Pará, no distante ano de 1930. Por esse tempo o bardo cearense ainda se chamava Antônio Gonçalves e tinha apenas 21 anos de idade. Aliás, reza a tradição que foi José Carvalho quem crismou o poeta Antônio com o codinome Patativa. Agora vamos saber, no parágrafo seguinte, o que esse enorme “arrodeio” tem a ver com o novo livro de Bruno Paulino.
O jovem escritor Bruno Paulino, já consagrado no mundo da crônica após o lançamento de “Lá nas Marinheiras” e “A menina da Chuva”, resolveu aventurar-se também pela poesia, com assumida preferência pelo gênero Cordel. Sempre propenso a novos voos, estreia em novo gênero literário. Reúne agora, no presente volume, uma série de perfis jornalísticos publicados no jornal “Sertão”, informativo produzido lá mesmo no seu amado Sertão Central, mais precisamente em Quixeramobim-CE. O material aqui enfeixado apresenta o melhor de sua produção veiculada naquele informativo no período de 2014 a 2016.
Antigamente, menino sertanejo armava alçapão para pegar passarinhos. E depois de pegá-los, havia o deslumbramento da criança e a adaptação do pássaro cativo que, se abeirando da letra de Humberto Teixeira e Gonzagão, acabava cantando “melhor”. Esses textos de Bruno Paulino surgem depois de uma conversa um tanto informal com a personalidade que deseja retratar. Como um fotógrafo talentoso e detalhista, ele busca flagrar na prosa de seus interlocutores momentos lúdicos e aparentemente banais que acabam produzindo uma ótima impressão nos leitores, a partir de sua abordagem apaixonada e perspicaz. Com seu talento nato de prosador, vai urdindo os fios da conversa como quem tece uma rede de varandas, emprestando a cada peça um colorido novo e diferente. E tem uma vantagem... Ele nem precisa furar os “zói” dos Passarim. Aqui, todo mundo canta melhor!
A jornalista portuguesa Cremilda de Araújo Medina, professora de Comunicação da USP, em seu livro Entrevista: o diálogo possível (Editora Ática - São Paulo, 2008) estabelece que “ao contrário da espetacularização, a entrevista com finalidade de traçar um perfil humano não provoca gratuitamente, apenas para acentuar o grotesco, para “condenar” a pessoa (que estaria pré-condenada) ou para glamourizá-la sensacionalisticamente. Esta é uma entrevista aberta que mergulha no outro para compreender seus conceitos, valores, comportamentos, histórico de vida”.
Passemos agora ao critério utilizado por Bruno Paulino na escolha de seus biografados. Quase todos os personagens aqui retratados têm alguma ligação com o Sertão Central, em especial com Quixeramobim, sua cidade natal. Sob essa ótica é que desfilam por suas páginas nomes como Luiz Gonzaga (visitando a terrinha e cortando o cabelo numa barbearia da cidade natal de Fausto Nilo), Audifax Rios (falando de Antônio Conselheiro), Gordurinha (e suas canções dedicadas ao sertão cearense), Geraldo Amâncio, Diogo Fontenele, Cláudio Portella (trazendo o Cego Aderaldo a tira-colo), João Pedro do Juazeiro, Saraiva Júnior, Luiz Costa, Jards Nobre, João Eudes Costa, Klévisson Viana e o autor dessas linhas.
Ouso afirmar que esse livro do professor Bruno Paulino terá grande repercussão e utilidade no ambiente escolar, recebendo, desde já, o selo “altamente recomendável” deste escriba que vos fala e relata. Boa leitura.

Arievaldo Vianna

Escritor, membro da AQUILETRAS

SERVIÇO:
Lançamento do livro "SERTÃO: POETAS E PROSADORES"
Autor: Bruno Paulino
Quando: 26 de janeiro de 2017
Aonde: Casa de Antônio Conselheiro, a partir das 19h.

Escritor Bruno Paulino, de Quixeramobim-CE