sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

SONETO

Baile na Roça - Cândido Portinari


De elo com a divindade a tortura psicológica

Dizem que a música é um elo entre os homens e o Divino. Nos livros sagrados da religião Hindu, inclusive no Kama Sutra, escritos cerca de mil anos antes de Cristo, a MUSICA é descrita como a mais bela entre todas as artes, ou o conhecimento dos deuses... "ela (a música) era considerada uma representação da beleza divina, uma mediadora entre a vida espiritual e a sensual. Uma linguagem universal usada para expressar a beleza e alegria, páthos enquanto oração, a música eleva a alma a um plano mais alto, possibilitando uma busca direta do divino."

Deve ser EXATAMENTE isso o que sentem os admiradores da música ENFINCA, DO BUCO-BUCO, do TRÁ e de outras brutalidades do gênero... Com certeza!

DO FORRÓ AO BUCO-BUCO

Que saudade dos forrós de antigamente...
No princípio, somente um sanfoneiro,
Um triângulo, um zabumba e um pandeiro,
E os casais festejando alegremente.

A cerveja se bebia mesmo quente
Nos salões, nas latadas, no terreiro,
No cangote se botava água de cheiro
Sob a luz do luar tremeluzente.

Hoje em dia tem guitarras metaleiras
Dez casais de baitolas e rameiras
No tablado requebrando o fiofó...

Umas letras horríveis, de mau gosto,
E eu escuto, traspassado de desgosto,

Essa porra ser chamada de FORRÓ.