domingo, 7 de setembro de 2014

TRAGÉDIAS NO CORDEL



Tragédias, incêndios, inundações, crimes bárbaros, desaparecimento de crianças, morte de políticos e outras pessoas famosas são temas frequentes na Literatura de Cordel. O suicídio do ex-presidente Getúlio Vargas, por exemplo, desencadeou o surgimento de um 'ciclo' no cordel, sendo que o poeta Delarme Monteiro, por exemplo, vendeu mais de 50 mil exemplares de um folheto com essa temática em menos de uma semana! FranciscoSales Arêda foi outro que também bateu recordes de vendagem versando sobre a morte de Getúlio. O escritor Orígenes Lessa publicou um alentado estudo intitulado "Getúlio Vargas na Literatura de Cordel", onde analisa vários folhetos que tratam de seu desaparecimento.


A morte de Getúlio - cordel de F. Sales Areda

José Soares, o Poeta Repórter era um aficionado pelo gênero. Seu filho, Marcelo Soares, também poeta e xilogravador, recorda que o pai já tinha pronto, em casa, o necrológio de um monte de gente famosa e quando o cara morria, ele só tinha o trabalho de acrescentar cinco ou seis estrofes falando da data, local e circunstâncias do desaparecimento do figurão. A morte do presidenciável  Eduardo Campos (que resultou no 'fenômeno' Marina Silva) é um bom exemplo de que o povo brasileiro gosta de tragédias. O Cordel apenas embarca num filão que está no paladar das massas.


Getúlio em xilogravura de J. Victor



Os poetas pernambucanos Davi Teixeira e Meca Moreno fazem homenagem a Eduardo Campos em literatura de cordel. O título traz, em versos e rimas, a trajetória até então presidenciável, que logo cedo entrou para a política e tornou-se um grande nome na política nacional. Eduardo governou pernambuco em dois mandatos e deixou o cargo para concorrer as eleições presidenciais de 2014.
A seguir algumas estrofes do cordel.
(…)
Para um plano de governo
Ao povo então consultava
Ele muito confiante
Suas sugestões gravava
Para agregar à campanha
Numa conquista tamanha
Ao lado do povo estava
Mas o destino não quis
Mudando então sua sina
E numa fatalidade
A sua vida termina
E com mais seis companheiros
E amigos verdadeiros
Talvez por ordem divina
Numa grande coincidência
Deu-se o acontecimento
No dia treze de agosto
Deu-se o seu falecimento
Seu avô no mesmo dia
Há nove anos partia
Só posso dizer: – lamento.
(…)