quinta-feira, 11 de maio de 2017

Um conto de Malba Tahan

AS MERCADORIAS DO DIABO

Conta-nos Malba Tahan, no interessante livro Maktub! (Estava escrito!) esse curioso episódio ocorrido há muitos anos, segundo o autor, na poderosa Babilônia, a cidade das Cem Portas...

Certa feita um grande sábio, tido e havido como um santo homem, deixava uma grande cidade quando  encontrou-se com o Diabo (que Deus o confunda!) que conduzia uma pequena caravana com seis camelos de raça carregados de estranha carga.
Perguntou o servo de Deus:
- Que levas aí ó Cheitã?*
Respondeu o demônio:
- Estas são as mercadorias que pretendo vender na cidade.
- Poderás dizer-me que mercadorias são essas, cujo peso parece cansar os teus possantes camelos?
- O primeiro camelo está carregado de injustiça; o segundo leva uma bela carga de avareza; trago no terceiro, mil arrobas de vaidade; o quarto está carregado de perfídia; o quinto de egoísmo e o último o mais forte de todos está carregado de ambição.
- Injustiça, avareza, vaidade, perfídia, egoísmo e ambição, repetiu o sábio cheio de espanto.
- E a quem pretende vender tais mercadorias?
- Venderei a injustiça aos magistrados, explicou o demônio. Os ricos de mim comprarão a avareza. A vaidade será adquirida pelas mulheres. A perfídia pelos políticos. O egoísmo será para os poderosos. A ambição será comprada pelos mercadores.
- Volta com sua tropa ó Cheitã! Bradou com veemência o sábio. - Não conseguirás um centavo. A tua mercadoria será repelida por todos!
Pouco tempo depois, repousava o santo homem sob a sombra de uma árvore, quando avistou de novo o demônio que regressava da cidade, trazendo em tranqüila marcha os seis camelos, desprovidos de suas cargas.
- A quem, ó maligno, vendestes a tua horrível mercadoria? Indagou o santo homem.
- Ao entrar na cidade, contou o demônio, encontrei um homem rico e poderoso. Interessou-se logo pelas mercadorias e quis arrematar tudo sem fazer questão de preço.
- E vendestes tudo a um só homem? Acudiu o santo assombrado.
- Sim. A um homem só. E creia-me, o exigente comprador achou pouco e queria mais. Mora num suntuoso palácio de belas colunas brancas, cercado por um lago artificial.
- Meu Deus! Quem mora ali é o nosso Governante. Se ele precisou de suas mercadorias, é porque pretende abolir as leis, esquecer o direito dos fracos, perseguir os humildes, e transformar-se enfim num tirano!
E concluiu desolado.
- Sim, aquele que abusa da força e do poder para negar o direito e exercer a tirania, tem por certo a alma repleta de todas as mercadorias do diabo.

(Livre adaptação de um conto de Malba Tahan, do livro Maktub! (Estava escrito!)


*Cheitã – Um dos nomes do diabo, segundo os mulçumanos